Na foto à esquerda, uma Saíra-militar (Tangara cyanocephala). Essa ave é mais comum nas áreas litorâneas e se alimenta principalmente de frutas. Existem diversas espécies de Saíras, todas muito coloridas e charmosas. A  foto à direita é de uma Cambacica (Coereba flaveola), ave comum desde a América Central. São  muito graciosas e se existem na região, frequentam os bebedouros. As flores ao lado da ave são da Tecoma alata (Bignoniaceae).

Outros visitantes

 

     Outras aves, especialmente as Saíras e as Cambacicas também gostam de água açucarada e são atraídas aos bebedouros. Essas aves sendo mais pesadas que beija-flores, podem balançar os recipientes e derramar o líquido, causando algum transtorno, mas seria uma perda não desfrutar da presença delas. As Cambacicas em especial, cantam e piam o tempo todo, mantendo o ambiente muito animado.

    Durante a noite, já observei gambás e até morcegos fartando-se do líquido açucarado, porém nunca os considerei como problema que justificasse uma intervenção. A presença desses animais sempre foi bem-vinda e apenas nos proporcionou divertimento.

 

 Mas fica o alerta quanto à necessidade e importância de manter a higiene. Na natureza, não estariam “comendo do mesmo prato”.            É comum acontecer que ao nos dedicarmos a preservar determinados animais ou aves, como no meu caso os beija-flores, acabamos involuntariamente beneficiando outras espécies, que possuem um ou outro hábito alimentar coincidente. O hábito de preservar a natureza estende benefícios múltiplos e tudo pode começar no quintal de casa. É uma excelente alternativa de lazer para a família toda e muito educativa.

Na foto à esquerda uma Saíra-de-sete-cores (Tangará seledon) e na foto à direita, um Sanhaço-de-encontro-azul (Thraupis cyanoptera). Tal como as aves anteriores, tem hábitos alimentares semelhantes e frequentam os bebedouros.

Euphonia pectoralis (fêmea e macho), também conhecidos popularmente por Ferro-velho alimentam-se de frutas, insetos e néctar e frequentam bebedouros para beija-flores.

Ouvimos a alegria e viemos pelas promessas adormecidas!