A Caatinga

"Ocupando quase 10% do território nacional, com 736.833 km², a Caatinga abrange os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul e leste do Piauí e norte de Minas Gerais. Região de clima semi-árido e solo raso e pedregoso, embora relativamente fértil, o bioma é rico em recursos genéticos dada a sua alta biodiversidade. O aspecto agressivo da vegetação contrasta com o colorido diversificado das flores emergentes no período das chuvas, cujo índice pluviométrico varia entre 300 e 800 milímetros anualmente."

(WWF - Brasil)

Chelonanthus purpurascens (Gentianaceae) empresta  as suas cores e enfeita bordas de pequenos cursos d"agua que serpenteiam entre morros nas Caatingas. Estes pequenos "sinos " violeta fazem desses recantos um dos locais preferidos para Amazilia fimbriata se alimentar.

O Melocactus bahiensis (Cactaceae)  cresce por entre pedras e vegetação ressequida. O beija-flor Chrysolampis mosquitus  (macho) é um dedicado guardião das suas pequenas

 flores.

Jatropha curcas (Euphorbiaceae), serve de alimento e pouso para o mesmo beija-flor. Visto de frente sob uma luz favorável a ave se mostra muito mais brilhante. 

Ver toxidade.

 

Cnidoscolus bahianus (Euphorbiaceae), com suas folhas urticantes não é nenhum problema para Phaethornis pretrei. Estas flores são também muito disputadas por abelhas.

Mimosa regina (Mimosaceae) é um arbusto espinhoso que dificulta a passagem de humanos e animais. Cresce em abundância e suas flores são procuradas principalmente por insetos. Mas os beija-flores fazem eventuais visitas, como esta fêmea de Chlorostilbon lucidus pucherani.

Nopalea cochonillifera (Cactaceae) na época da florada é endereço certo para qualquer beija-flor. Este macho de Chlorostilbon lucidus aproveita a oportunidade.

Solanum semiarmatum (Solanaceae), pontilha de cor violeta uma paisagem ressequida. Uma fêmea de Anthracotorax nigricolis faz uma pausa no seu ramo. Esta espécie de beija-flor existe em todo o Brasil . Seus voos de migração os levam além das nossas fronteiras e em quase qualquer tipo de ambiente.

Bromelia liciniosa (Bromeliaceae) com suas cores contrastadas está sendo visitada por Phaethornis ruber.

Hohenbergia catingae (Bromeliaceae) é abundante na Caatinga. Suas flores são bem pequenas, mas são em grande quantidade. Pela manhã, o elegante Phaethornis pretrei é um dos seus primeiros visitantes.

Chamaecrista rotundifolia (Fabaceae) e uma fêmea de Anthracotorax nigricolis, espécie de beija-flor encontrada em toda a América do Sul.

Ananas nanus (bromeliaceae), ou gravatá. Cresce em muitas regiões do Brasil, especialmente em zonas áridas. O beija-flor é Amazilia lactea.

Vi a terra ardente e pensei:

-Aqui não tem nada!

Como me enganei.